Doenças que podem voltar no Brasil em 2019

Os técnicos em enfermagem já sabem que com o final de ano, o fluxo constante de pessoas e produtos podem criar condições para o retorno da transmissão de algumas patologias. 

Por isso, algumas doenças estão na mira dos profissionais que podem voltar ou até mesmo piorar no Brasil nos próximos meses.

Para você ficar por dentro de quais doenças podem voltar a avançar ou até mesmo piorar no território nacional, nós separamos uma lista:

Sarampo

Após 18 anos sem nenhum registro de sarampo adquirido dentro do país, o Brasil voltou a registrar casos da doença aguda e que é altamente contagiosa por meio de tosse, fala e espirro.

De acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Saúde (MS) foram confirmados 10.262, desde o início de janeiro, até 10 de dezembro de 2018.

Sendo que a maioria dos casos foram registrados no Amazonas (9.779) e em Roraima (349).

Difteria

A doença é causada por uma bactéria que se aloja principalmente nas amígdalas, faringe, laringe, nariz e outras mucosas do corpo e pele.

Em 2016 foram registrados quatro casos e em 2017 cinco no Brasil.

Também apareceram casos pela América Latina, na Colômbia e Haiti.

Além de surtos na Venezuela, com mais de 1.600 casos suspeitos nos mesmos anos.

Poliomelite

A paralisia infantil é contagiosa e permanece endêmica no Afeganistão, Nigéria e Paquistão.

Adultos também podem ser infectados se tiverem contato direto com fezes ou secreções eliminadas pela boca das pessoas doentes.

No Brasil, não tem registro da circulação da doença desde 1990.

Mas, em julho de 2018, o Ministério da Saúde divulgou que 312 municípios estavam com vacinação abaixo de 50%.

O que determinou estado de alerta para que a vacinação seja retomada nesses locais.

Doenças transmitidas por mosquitos

Especialmente no verão, essas enfermidades ficam na mira dos técnicos em enfermagem.

Mesmo que nos dois últimos anos o indicador esteja baixo para dengue, chikungunya e zika, é melhor prevenir.

Em 2018 foram registrados 241.664 casos de dengue em todo o país, com um total de 142 mortes.

Já a chikungunya, 84.294 casos e 35 mortes; e zika, 8.024 casos, sendo quatro óbitos.

De acordo com os dados divulgados pelo Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRA), mais de 500 municípios possuem alto risco de surto das doenças transmitidas pelo mosquito.

Febre amarela

Desde 2016 a doença causa preocupação no país, por conta do surto na região sudeste.

O problema deve permanecer neste ano, porque em 2018 foram registrados mais de 1.300 casos, sendo 450 mortes no país.

Para se prevenir da doença é recomendado buscar vacinação o quanto antes.

Principalmente nas áreas com maiores incidências da doença.

Malária

Depois de dez anos ter reduzido o número de ocorrências, ano passado foram registrados 146.723 casos.

A Amazônia é a região que possui 99% dos registro de casos da doença.

Mas, o Ministério da Saúde já advertiu que os demais estados do país possuem áreas com presença dos protozoários transmissores da doença.

Para 2019, a previsão é de que aumente mais de 20% das ocorrências da doença no território nacional.

O técnico em enfermagem

A profissão de técnico em enfermagem vem ganhando espaço, principalmente nos últimos anos com a expansão dos hospitais.

A geração de emprego, além de fatores como envelhecimento da população, também contribuem para a oferta de cargos nesse ramo.

O curso técnico em enfermagem é um dos mais populares no país e é o mais rápido de fazer, se comparado com outros cursos.

Se o que você procura é um retorno de imediato, aposte seus estudos no curso técnico em enfermagem e contribua para a saúde da sua cidade.

Deixe um Comentário