O Super-Homem é mais homem do que os homens

O que aconteceu com o arquétipo de herói? Parece que hoje em dia é mais louvável ser um babaca e fazer as coisas acontecerem a qualquer custo, do que inspirar as pessoas com algo bom.

Homem de Ferro, Deadpool, Wolverine; esses são exemplos de alguns dos anti-heróis mais famosos e amados da atualidade. Não vou mentir, curto muito esses personagens também, mas parece que acabou o interesse de personagens que não abrem mão de seus princípios e ideais como o Capitão América e o Super-homem. Será que o reflexo dos nossos tempos fez com que esse tipo de postura se tornasse algo antiquado?

O Super-Homem é o meu herói preferido e nas linhas que seguem, quero falar um pouco sobre o porquê ainda precisamos de arquétipos como o dele.

O Homem de aço que é mais humano que os de carne

O Super-homem é uma criação de Joe Shuster e Jerry Siegel na década de 30, outros tempos, né? Mais simples e maniqueístas? Com certeza. De lá pra cá, ele se transformou em um ícone incontestável, das páginas dos quadrinhos para um dos símbolos mais reconhecidos em todo o mundo. Tenho uma curiosidade imensa no porquê desse apelo tão grande, se não tivesse não seria algo tão vendável e amado.  Ele é um alienígena, vive em um planeta de papel, é praticamente um deus entre nós, mas não toma as mesmas decisões que qualquer um de nós tomaria se tivéssemos tal poder em nossas mãos.

Ele é invencível, a não ser por aqueles pedacinhos verdes que sobraram do seu planeta natal, por isso é tão difícil criar histórias pra ele, mas quando conseguem, são obras-primas. Não dá pra criar histórias em que a ameaça seja mais forte que ele, elas quase não existem. E por esse motivo o arqui-inimigo dele é um ser-humano extremamente inteligente. Lex Luthor não tem chances contra o Super-Homem em uma luta física, a não ser nas histórias que ele tem uma roupa com kriptonita, mas essas não são as melhores. Tudo fica mais interessante quando a batalha é no campo intelectual.

quadrinho do superman

Já que ele só tem uma fraqueza, o que torna o homem de aço interessante? Não é como o Homem de Ferro, que é um cara normal, mas tem problemas com álcool, não é como o Batman, que é um maluco psicótico que nunca se recuperou de um trauma de infância. O que torna o Super-Homem incrível são as coisas que ele pode fazer, mas não faz. Ele poderia fazer com que Metrópolis sumisse do mapa com o super sopro, destruir a cidade de Gotham e toda a sua corja de bandidos e policiais corruptos com a sua visão de raio laser. São tantas coisas que ele pode fazer, mas ele decide ajudar, e com ajudar eu quero dizer que ele resolve o problema, mas não é o juiz e muito menos o carrasco.

Eu tive a ideia de escrever esse texto porque reassisti recentemente à adaptação do herói para as telonas em 1978. O filme que eternizou Christopher Reeve como o verdadeiro Super-Homem, e de fato, ninguém vai fazer melhor que ele. Se você acha boba a idéia de que um cara assume outra identidade apenas tirando os óculos e passando gel no cabelo, você precisa assistir esse filme.

O Super-homem não mata. Ele não faz como o Deadpool e o Wolverine, que são conhecidos por fazerem o que é preciso, mas seus meios são questionáveis, a violência de ambos é extrema. Como eu disse no começo do texto, gosto desses personagens e eles têm o seu espaço. O que eu quero dizer é que ninguém é tão grande como o Super. E olha que nem estou falando de força, estou falando de conceito.

quadrinhos superman

De onde vem todos esses princípios? Como um alienígena que veio de uma galáxia tão distante da nossa, pode entender tanto de algo que os próprios humanos não entendem. O homem de aço é mais humano do que nós. É aí que está o segredo.

Marthaaaa!!! Não, não vou falar de Batman V Superman, não se preocupe. Mas vou falar da Martha, vou falar do Jonathan também. Se você não sabe, esses são os pais do Clark Kent, o Super-Homem. Toda a humanidade dele vem de seus pais humanos. Olha só onde eu vim parar, comecei a falar de super-herói e esbarrei em paternidade.

Bom, eu cresci sem um pai, mas tenho uma mãe incrível, um irmão responsável e um avô de moral inquestionável. E daí que vem o meu caráter, os meus princípios e tudo o que eu considero importante e fundamental para a vida. Todos esses outros anti-heróis vem de situações familiares não estruturadas, cresceram em ambientes hostis e tiveram traumas que os marcaram para o resto de suas vidas. O Super-Homem sofreu um trauma grande, é o último sobrevivente de sua raça, mas ele teve fundamentos em sua formação. Aprendeu que não deveria usar as suas habilidades para controlar ou subjugar outras pessoas, que apesar de ser melhor do que os outros, não deveria se considerar ou até mesmo pensar assim. Seus pais o ensinaram a lutar por justiça e liberdade. Estou falando de um personagem fictício e que pode ser considerado infantil por ter a sua origem nos quadrinhos, mas a gente pode aprender tanto com ele.

O Super-Homem pode não ser o herói mais popular atualmente, pode parecer simplista, cafona e até ultrapassado, mas temos vivido tempos onde voltar com alguns princípios básicos do heroísmo pode ser exatamente o que precisamos. O Capitão América diz uma frase no filme Vingadores – Guerra Infinita, que ficou na minha cabeça. Ele diz várias vezes ao personagem Visão a seguinte frase: “nós não trocamos vidas”. Se fosse o Super-Homem, ele diria o mesmo. Não podemos trocar vidas por nada, absolutamente nada. O Super-Homem inspira o melhor em nós e atualmente, é o herói que precisamos.

Gostou deste artigo? Não esqueça de comentar e compartilhar com seus amigos.

Por |2019-01-24T18:27:13+00:0011 de dezembro de 2018|Categorias: Uncategorized|1 Comentário

Um comentário

  1. TBL 31 - Aquele do Ano 2 - | Salada Cult 21/12/2018 at 21 de dezembro de 2018 - Reply

    […] indicado pelo Thiago)● Demolidor – 3ª Temporada (texto escrito e indicado pelo Felipe)● O Super-Homem é mais homem do que os homens (texto escrito e indicado pelo Felipe no site Deli…● Caixa de Pássaros – Josh Malerman (livro indicado pelo Felipe)● Caixa de Pássaros […]

Deixe um Comentário