Parar de reclamar

Todos nós já deslizamos e reclamamos. As crianças reclamam porque o amiguinho de escola foi brincar com outro no recreio, os irmãos mais velhos reclamam porque o irmão mais novo sempre está quebrando e bagunçando suas coisas, nós adultos reclamamos do chefe que não sabe de nada e  do relacionamento conjugal que sempre está monótono. Confira a íntegra desta matéria baseada no artigo: How to Stop Complaining do Psychology Today e descubra os motivos que nos levam à reclamar, o que não fazer , o que fazer e se você se identifica como uma pessoa que não consegue parar de reclamar.

Vídeo de apoio para a compreensão.

Por que reclamamos?

Existem pessoas que usam da reclamação com uma forma de estilo de vida. É a maneira natural de como se comunicam. Às 6h da manhã já acordam fazendo comentários com reclamações, e passam por todas as etapas do dia reclamando, até que chega a hora de dormir. O ciclo se repete no outro dia, no dia seguinte e no dia seguinte…

Estar perto de pessoas com este padrão de comportamento pode ser muito desgastante, frustrante, e até mesmo irritante. A pergunta é: por que estas pessoas não mudam de comportamento?

Porque é muito provável que há problemas, atrelados a outros problemas e o Dr. Bob Taibbi nos explica alguns.

1 – Reclamamos para aliviar o estresse

Este é um dos mais prováveis motivos pelo qual reclamamos. Estamos desabafando para aqueles que estão ao nosso redor e usando pessoas como uma espécie de analgésico, é uma forma de conseguirmos baixar a guarda sobre a fonte de estresse que está se formando em nós. Por isso que seu filho reclama do professor para você, por este motivo que desabafamos com o amigo de trabalho à respeito do chefe. Somente pelo o simples fato de ter um ouvido para nos ouvir, nos ajuda a nos sentirmos melhor.

2 – Reclamamos porque não conseguimos resolver algo

João reclama do chefe porque se sente muito atarefado no trabalho, seu filho reclama da professora porque acha ela malvada. Quando não achamos opções para nos livrar ou resolver aquela situação, nos sentimos encurralados. Muitas vezes podemos nos sentir ansiosos, magoados e sem a habilidade necessária para conseguir seguir em frente diante de algumas situações.

3 – Reclamamos por estarmos deprimidos

O céu parece estar sempre meio cinzento, o copo parece sempre estar meio vazio, parece que estamos sempre presos em um poço sem saída. A depressão consome todas nossas energias. Abrimos nossos olhos para enxergar somente aquilo que não é bom. Nunca esperamos algo bom de uma situação. As pessoas deprimidas reclamam porque é tudo o que podem sentir ou fazer.

4 – Reclamamos por que faz parte de um contexto social

Às vezes somos alimentados diariamente por pessoas que sofrem de todos os pontos acima, mas aqui estamos alertando aos pais que usam do negativismo dentro de suas casas com constantes reclamações, criando um clima negativo dentro dos lares, afetando diretamente o comportamento e a visão de mundo que a criança irá adotar quando crescer.

Também vale lembrar de casais e famílias que desenvolveram por boas razões uma atitude de super-vigilante ou super-negativista como por exemplo: somos só nós, ninguém nos ajuda, não temos amigos, o mundo está contra nós. Passam uma sensação constante de insegurança a respeito das pessoas e do mundo. Para estas pessoas reclamar é apenas o óbvio.

5 – Reclamamos para obter atenção

O filho que não é tão espertinho quando seu irmãozinho ou a pessoa que nunca consegue se destacar na pelada com os amigos, necessita encontrar uma forma de ganhar a atenção de outras pessoas. A criança percebe que quando ela reclama a atenção é voltada para ela,e o jogador de pelada “perna de pau”, percebe que dessa forma pode conquistar a atenção dos amigos. Algumas pessoas conseguem tirar proveito disso as vezes com bom humor.

O que não devemos fazer diante das reclamações

Quando estamos em nossos problemas diários, as reclamações que nos chegam através de familiares ou amigos parece ser a última gota de água que faltava para causar um verdadeiro tsunami em nosso dia. Não precisa de muito para que reclamações acabem desencadeando um ciclo de negativismo que resulta somente na piora das coisas. Veja nesses casos o que fazer:

1 – Não reclame da reclamação

Quando um amigo está reclamando da pressão que o chefe está exercendo, sendo que você passa por aquela mesma situação diariamente e nem por isso fica se lamentando, e você rudemente responde: “meu, se concentra no teu trabalho!” (isso quando não somos mais malcriados), ou quando seus filhos reclamam do almoço fresquinho que você teve todo o carinho e dedicação de tempo para fazer. A pessoa que reclama não consegue ter a perspectiva de visão que você tem e de uma forma muito rude acabamos querendo forçar as pessoas a enxergar o que estamos vendo. Nesse momento a pessoa que reclama se sentirá julgada ou até mesmo magoada piorando ainda mais a atmosfera.

Se você não pode dar apoio para a pessoa que está reclamando por causa do seu próprio estresse, conte para a pessoa, siga sua própria convicção e procure meios para relaxar.

2 – Não dê sempre o mesmo conselho

Você as vezes tem uma paciência “de Jó” e quer sempre ajudar na solução do problema, isso é muito bom, mas se a conversa sobre determinado assunto não deu certo uma vez, ou se a tentativa para solucionar o problema, como por exemplo: falar com o chefe sobre a alta carga de trabalho e o chefe simplesmente ignora a situação, não insista neste mesmo assunto. Isso só acabará resultando em frustração para quem reclama e para você mesmo.

3 – Não seja massivo

Às vezes quando a queixa chega até nós, estamos dispostos a ajudar porque nos importamos com a pessoa. A questão aqui é que não podemos fazer da situação onde a reclamação é repetitiva, um sermão de 3 horas, que os olhos do ouvinte fica em constante procura por algo no teto ou que os suspiros são de longe ouvidos. Adotando essa atitude podemos estar alimentando um padrão comportamental que dificilmente será quebrado.

O que devemos fazer nestas situações:

 

1 – Ouvir mais e falar menos

Como comentamos no começo do post, o primeiro socorro que a pessoa que reclama pede, são ouvidos para que possam desabafar e aliviar seu estresse. Resista ao impulso de buscar forçadamente com que a pessoa enxergue aquilo que você enxerga. Isso acontece muito em relacionamentos conjugais, onde os homens querem chegar e concertar tudo, mas as mulheres querem apenas ouvidos para desabafarem. Homens não se esqueçam, depois de um momento de escuta, sua parceira provavelmente estará mais calma e seu trabalho estará quase que 100% concluído.

2 – No momento certo retome a conversa sobre o problema

Quando o clima de mau humor e a situação emocional estiver melhor, é a hora de tentar uma conversa racional sobre o problema. Neste momento é que devemos liberar uma palavra de conforto para o cônjuge, nesta hora que é ideal conversar com o amigo de trabalho sobre uma possível troca de emprego numa área em que ele execute suas funções com mais satisfação por exemplo.

3 – Falando sobre a queixa

Neste ponto você não vai falar da situação causadora da queixa, mas sim da sua preocupação com a pessoa por estar notando que ela parece estar infeliz. A nossa obrigação está em ajudar a pessoa a descobrir (por ela mesma e não de maneira forçada) o que de fato  a impulsiona a ser refém daquela situação. Muitas vezes existem problemas familiares graves que por sua vez desencadeiam reclamações sobre tudo e todos que passarem pela vida desta pessoa.

4 – Seja positivo

Esse eu acho que é o ponto mais belo deste artigo! Existem pessoas que adquiriram esse talento naturalmente. Pessoas que tem a capacidade de mudar o clima de um lugar, conseguem transformar uma atmosfera de velório em festa. Seja positivo, isso ajuda inclusive na sua saúde mental. Desfoque do problema, mostre para a pessoa de maneira sutil, mas proativamente que tudo vai ficar bem e dar certo. Isso fará bem não somente para seu amigo (a) ou cônjuge, mas fará bem para você mesmo.

5 – Mas e se eu for a pessoa que reclama?

Se você consegue enxergar que é uma fonte de reclamação, pode começar agora mesmo a se animar. Isso mesmo, você já reconhece o problema e está no caminho certo para se tornar uma pessoa melhor. Investigue a fonte real do seu problema. Se você se encaixa em uma das situações acima como: se sentir deprimido, se sentindo preso,e não encontra uma solução para o problema, desistiu de tudo ou acredita que não recebe o retorno condizente nos relacionamentos, encare essas situações com toda sua coragem. Procure a pessoa que você está evitando uma conversa difícil, tome medidas que farão você ter paz.

Mas se você mesmo assim precisar de ajuda, procure por um especialista. Uma terapia pode ser muito benéfica para você.

Gostou deste artigo? Não esqueça de comentar aqui embaixo e compartilhar com os amigos que você se importa!

Por |2018-11-17T17:32:48+00:005 de novembro de 2018|Categorias: Corpo e Mente|Tags: |0 Comentários

Deixe um Comentário